MUITO IMPORTANTE:

Neste texto relato apenas a minha experiência bem sucedida ao usar a romã e cito fontes de pesquisa. Mas pode haver contraindicações. Por isso, recomendo às pessoas que, antes de consumir a fruta, conversem sobre o assunto com médicos e nutricionistas.

O problema

Um ano e meio depois de terminar o tratamento de radioterapia, meus dentes começaram a ter cáries. Eram tantas que fui encaminhado pelo médico às dentistas oncologistas, das áreas de cirurgia geral e periodontia, pois o tratamento era específico.

O problema foi causado pela radioterapia, que afetou a minha glândula sublingual, que deixou de secretar quase totalmente a saliva. Por isso, usei a saliva artificial, sob a forma de gel, que não era nada agradável, mas amenizava o mal-estar.

Tomar água constantemente era necessidade a cada dez minutos. Na verdade, a ingestão do líquido era pequena, porque era usado mais com o objetivo de aliviar o desconforto da boca seca.

O problema era maior do que eu podia supor, pois sem salivação na quantidade suficiente os alimentos ficam grudados nos dentes e são mais difíceis de engolir, porque uma das funções da saliva é lavar a boca.

Por causa da deficiência da produção de saliva, as cáries começaram a surgir, porque a escovação não era suficiente. Com a deficiência, os dentes não ficavam limpos e as placas bacterianas foram formadas.

No primeiro tratamento, foram feitas três restaurações e obturação de dez cáries.

Não havia indícios para que surgissem tantos problemas dentários, mas dois meses depois fiz nova radiografia que revelou problemas em praticamente todos os dentes.

A situação era preocupante. Havia o risco de perder todos os dentes. Se isso acontecesse, a solução seria usar dentadura, porque o implante poderia causar osteorradionecrose (doença da mandíbula).

O tratamento de recuperação incluiu a aplicação de flúor diariamente, produto muito tóxico e nocivo à saúde, mas extremamente necessário.

Durante o tratamento, eu tomava diariamente mais ou menos meio litro de chá verde com própolis verde, porque o chá verde mineraliza os dentes; a própolis estimula a salivação, e tem efeitos antibactericida, antifungicida, antiviral, é imunoestimulante, cicatrizante, regeneradora dos tecidos entre outros benefícios (consulte http://www.minhavida.com.br/saude/materias/10818-propolis-assume-funcoes-de-remedio-natural-multiuso).

Minha vitória foi parcial, pois com o auxílio do flúor, somado aos benefícios do chá verde e própolis, os dentes ficaram mais fortes. Todavia, a causa do problema – a pouca salivação – não tinha sido resolvida.

A incrível descoberta da romã

A perspectiva de perder os dentes e usar dentadura era aterrorizante. No primeiro momento, fiquei um pouco abatido. Logo em seguida, dominadas as emoções negativas, decidi firmemente procurar a solução ideal, mas não tinha ainda o caminho a percorrer.

Como fiz durante toda a minha caminhada de combate ao câncer, passei a meditar com o envio de mensagens ao inconsciente sobre o desejo de resolver o problema da falta de saliva. Passei aproximadamente três semanas sem nenhuma resposta.

A técnica empregada era a de sempre: à noite, antes da meditação noturna eu pensava de maneira firme que encontraria a solução. Depois, passava a meditar. Nessa fase, o cérebro se organiza para encontrar as respostas necessárias. Após meditar, eu dormia.

Durante o sono, os comandos para o inconsciente acontecem de forma espontânea, até que a resposta para o consciente ocorre.

Numa bela manhã, após a meditação que faço nesse horário, como num passe de mágica, uma palavra ecoou na minha mente consciente: romã.

Recomendo às pessoas que procurem a solução de problemas com a meditação.

Para aqueles que possuem dificuldades para meditar, a alternativa é simplesmente pensar que querem resolver o problema que atormenta. Depois, esquecer o problema e rezar ou citar mantras em voz alta. Pode ser qualquer oração ou mantra. O efeito é dar o comando para a mente inconsciente, que irá deflagrar uma espécie de radar para encontrar as respostas esperadas.

A solução virá com certeza no tempo certo, que pode ser curto ou mais longo.

Nunca foi muito adepto da romã, porque o sabor não agradava e era difícil roer os caroços. Jamais tinha lido nada a respeito dos seus benefícios, a não ser a citação a superficial dela no livro “Anticâncer – Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais”, da Editora Objetiva Ltda., do Dr. David Servan-Schreiber, neuropsiquiatra.

Passei a pesquisar sobre a fruta e fiquei impressionado com os benefícios. Por isso, passei a fazer o suco da fruta junto com a polpa amarela, que concentra os melhores nutrientes. Como a bebida fica muito amarga, passei a adicionar um ou dois dentes de cravo da índia.

Os resultados foram impressionantes. A saliva começou a brotar, mas não tinha qualidade. No início era viscosa; depois, espumosa e ainda não limpava os dentes. Após seis meses e meio, a saliva voltou ao normal e tive alta do tratamento dentário.

Recentemente, o Dr. David Khayat, no livro “A Verdadeira Dieta Anticâncer” classificou a romã entre os melhores alimentos anticancerígenos.

A romã é adstringente. Por essa razão, incentivou a produção de saliva (acesse o link http://pt.wikipedia.org/wiki/Adstring%C3%AAncia e veja a fruta incluída no último parágrafo: “Pode ser encontrado em: (…) romã).

Muito mais do que imaginei

Meu consumo de romã é diário. Aperfeiçoei o uso, porque a fruta oferece muito mais. Veja abaixo:

  1. Facilita e permite o melhor funcionamento de neurônios. Por esse motivo, alguns tipos de neurotransmissores são preservados e estimulados, ou seja, combate processos degenerativos do cérebro. (Confira: http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2013/04/roma-contra-o-alzheimer).
  2. Rica em vitamina A, do complexo B, ácidos graxos e fibras. (acesse http://www.frutasnobrasil.com/beneficios_roma.html).
  3. Aumenta a produção de testosterona. Assim, recuperei a massa muscular perdida durante o tratamento. Além disso, é rica ainda em “potássio, ácido fólico e polifenóis, entre os quais se destacam as punicalaginas, principais responsáveis pelas propriedades antioxidantes do sumo, intervenientes na redução de processos inflamatórios (responsáveis pelo envelhecimento celular e pelo aparecimento de doenças coronárias e de alguns tipos de câncer)”. Saiba mais em https://sites.google.com/site/welsonlemos/home/roma.

Recentemente, a Escola Superior de Agricultura da USP encerrou pesquisa sobre a casca da romã, e concluiu que, além dos demais benefícios, a casca previne a doença de Alzheimer e contém mais antioxidantes do que a polpa e as sementes. A fruta, portanto, é riquíssima em nutrientes.

Confira em:

http://www.usp.br/agen/?p=126852

http://www.esalq.usp.br/destaques2.php?id=1941&ano=2013

https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=casca+de+rom%C3%A3+%2B+escola+superior+de+agricultura+da+USP

http://www.portaldepaulinia.com.br/saude/noticias/25550-pesquisa-diz-que-a-roma-pode-prevenir-a-doenca-de-alzheimer.html

Existem muitas outras pesquisas confiáveis sobre a romã. Sugiro a consulta no Google com o título “benefícios da romã”. Consulte também:

  1. http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/12/101213_roma_suco_cancer_fn.shtml;
  2. http://www2.uol.com.br/vyaestelar/fruta_roma.htm;
  3. http://revistavivasaude.uol.com.br/nutricao/aposte-na-roma/299/
  4. 4. http://centrodeartigos.com/dieta/artigo-5942.html

Receitas de uso da romã

Recomendo a compra da romã fresca e o usar suco, da seguinte forma:

Faça o suco por volta das 19 horas.

  1. Pegue uma romã média e parta ao meio;
  2. Retire as sementes junto com a polpa amarela (que concentra quase todos os nutrientes), deixando só a casca;
  3. coloque as sementes junto com a polpa amarela no liquidificador, com quatro copos de água, acrescente dois ou três cravos da índia e bata.
  4. Se preferir, não coloque o cravo da índia e coe o suco. Ao beber, coloque no copo três partes do suco de romã e uma parte de suco de uva integral. O sabor é excelente e anula o amargo da polpa amarela;
  5. só retire a semente dura que fica depositada no fundo do liquidificador;
  6. não coe a polpa amarela batida, pois ela contém muitos nutrientes e antioxidantes;
  7. tome três vezes ao dia: logo depois de fazer suco tome dois copos (deixe o restante na geladeira; tome mais um copo em jejum, logo após se levantar pela manhã; depois, tome café normalmente; tome mais um copo, no mínimo, 40 minutos depois do almoço. À noite faça mais suco. Seu corpo se hidratar e terá mais energia.

À noite, antes de dormir, faça o chá da casca de romã:

  1. Corte uma rodela pequena da casca da romã, partindo-a em pedaços pequenos;
  2. coloque num copo de água, junto a casca da romã, dois ou três pedaços de canela em pau e mais quatro ou cinco cravos da índia. Se desejar coloque as sementes duas bagas de cardamomo junto com a casca, o cravo e a canela. Isso irá aumentar o vigor físico.
  3. leve ao fogo até o início da ebulição;
  4. assim que a água começar a ferver, desligue o fogo, coloque o chá numa xícara e tampe por dez minutos. Depois, tome o chá.
  5. se conseguir engolir a polpa amarga da casca da romã, conseguirá melhores resultados.

Converse com o médico ou nutricionista sobre o uso da romã.

Anúncios