MUITO IMPORTANTE:

Neste texto relato apenas a minha experiência bem sucedida ao usar a farinha de banana verde. Mas pode haver contraindicações. Por isso, recomendo às pessoas que, antes de consumir o alimento, conversem sobre o assunto com médicos e nutricionistas.

Sobre os intestinos

Os intestinos humanos, grosso e delgado, são órgãos que normalmente não damos muita importância. É assim, por quê?

A resposta é simples: são órgãos que as pessoas sempre relacionam às fezes, aos excrementos humanos que causam nojo e repulsa. Por isso, quase sempre nos descuidamos deles, sem saber que são tão imprescindíveis para o nosso organismo quanto o nosso cérebro.

Alguns cientistas dão tanta importância aos intestinos que os consideram o nosso segundo cérebro, pois comandam o nosso corpo.

O Dr. Hélion Póvoa, no livro “O Cérebro Desconhecido”, editora Objetiva, dá aulas inesquecíveis sobre a importância desses órgãos.

As informações abaixo mostram a relevância dos intestinos:

  1. São responsáveis por aproximadamente 80% do nosso sistema imunológico, porque funcionam simultaneamente com o cérebro. Os linfócitos têm relação com o sistema imunológico do intestino, considerado o mais importante do organismo, porque produz substâncias que regulam as reações imunológicas. Assim, ao regular todo o organismo, os intestinos funcionam como órgãos inteligentes. Isto quer dizer que, se o funcionamento estiver comprometido, ou afetado, ficaremos mais fracos e até doentes.
  2. Há uma grande rede de neurônios no intestino (mais ou menos cem milhões), chamada sistema nervoso entérico, local em que são produzidos quarenta hormônios e onde existem aproximadamente vinte neurotransmissores, os quais atuam no trato gastrintestinal e interagem com o sistema nervoso central (cérebro e medula espinhal).
  3. A serotonina, por exemplo, é o neurotransmissor conhecido por causar bem-estar e estado de alegria nas pessoas. É formada a partir do aminoácido triptofano, obtido na alimentação. Só 10% da serotonina são produzidos na glândula pineal, localizada no cérebro, os outros 90% são produzidos no intestino. Isso dá a noção da influência do órgão.
  4. O intestino delgado tem funções importantes, como absorver os nutrientes presentes dos alimentos ingeridos, que caem na corrente sanguínea e passam para o fígado para serem distribuídos a todo organismo.
  5. A flora microbiana (bactérias) existente nos intestinos impressiona. Temos de quinhentas a mil espécies diferentes de bactérias intestinais. Elas digerem parte da celulose e sintetizam vitaminas do complexo B e K. Além disso, destroem micróbios e bactérias patogênicas. Diante de tão relevantes funções, os intestinos não funcionam apenas para auxiliar a digestão. Por isso, alguns cientistas classificam os intestinos como o “segundo cérebro” humano.
  6. A palavra “enfezado” tem o sentido literal de “cheio de fezes”, ou seja, com o intestino preso, que causa mau humor, pois a pessoa fica irritada, zangada, brava.

Cuidados:

Para tratar bem os intestinos, valem algumas dicas valiosas:

  1. Usar probióticos: São bactérias vivas que, ao serem ingeridas, melhoram a saúde das pessoas. Esses micro-organismos têm a capacidade de destruir algumas substâncias perigosas. Dessa forma, ajudam a eliminar várias toxinas presentes no intestino, tanto as substâncias da digestão quanto as substâncias contidas nos alimentos.

As bactérias probióticas são encontradas nos produtos farmacêuticos ou alimentares, como iogurtes, leites fermentados e kefir (que uso diariamente). Possuem um ou mais micro-organismos vivos, como os lactobacilos e as bifidobactérias. Por isso, devem ser consumidas, porque produzem excelentes benefícios no trato gastrointestinal e urogenital. Assim, estimulam o bom funcionamento do organismo humano.

Os nutrientes são absorvidos pela parede intestinal. Porém, alguns micro-organismos maléficos também chegam aos intestinos. Nesse caso, os probióticos desempenham função importante, porque colonizam e protegem a parede intestinal, impedindo que os agressores façam mal à saúde.

Alguns especialistas acreditam que o “exército protetor” dos probióticos pode evitar até mesmo o aparecimento do câncer de cólon.

Os micro-organismos que se integram à flora intestinal também desempenham o papel de auxiliar o trabalho de absorção dos nutrientes, como, por exemplo, ferro, cálcio e vitaminas do complexo B, entre outros.

Para obter os benefícios dos probióticos, é recomendável consumir produtos que contenham os micro-organismos saudáveis, existentes nos alimentos ou suplementos. Mas é importante ter a recomendação de médico ou nutricionista, a fim de fazer o uso adequado.

  1. Consumir prebióticos: são carboidratos ou fibras solúveis em água, ou seja, hidrossolúveis. Como são fibras não digeríveis, em qualquer das etapas do processo digestivo são resistentes à ação de enzimas. Por isso, ajudam a melhorar o trânsito intestinal. Assim, previnem constipações e diarreias. Também estimulam o crescimento e o aumento numérico das bactérias probióticas.

Outros benefícios dos prebióticos, de acordo com alguns estudos, são:

  1. inibir a absorção das gorduras;
  2. ajudar na absorção do cálcio, magnésio, zinco e ferro, encontrados em certos alimentos;
  3. diminuir o nível de osteoporose ao aumentar a absorção do cálcio;
  4. estimular o sistema imunológico;
  5. aumentar a produção de vitaminas;
  6. absorver os minerais e diminuir os níveis de colesterol e triglicérides;
  7. eliminar o excesso de glicose
  8. favorecer a digestão da lactose, que é o açúcar existente no leite e derivados.

Os prebióticos são encontrados em vários alimentos que consumimos até com certa frequência no dia a dia, como batata-doce, maçã, cebola, chicória, alho, banana, aveia, trigo, aspargos, tomate, cevada e alcachofras.

Outra boa notícia: os prebióticos não são calóricos ou energéticos e devem ser consumidos diariamente. Mas atenção: pessoas com problemas intestinais não podem cometer exageros, porque o consumo de fibras acima do necessário pode provocar diarreia ou flatulência. A recomendação é procurar a quantidade adequada.

É necessário, ainda, manter bom consumo de água, pois ela ajuda na formação e na eliminação das fezes. Aliás, devemos encontrar a quantidade exata de água a ser consumida diariamente, pois o consumo insuficiente é nocivo à saúde, e causa, entre outros problemas, prisão de ventre e enxaqueca. E o consumo em excesso pode sobrecarregar os rins.

Nosso corpo não funciona bem se não bebermos a quantidade ideal de água, pois é alimento essencial para os seres vivos.

Se quisermos manter intestinos e os rins saudáveis, a providência mais simples é tomar água. Ela também é responsável pelo transporte dos nutrientes até as células que precisam deles.

A água ainda retira das células todos os resíduos imprestáveis e subprodutos produzidos no organismo humano, enviando-os para os cinco sistemas excretores: fígado e vesícula, intestinos delgado e grosso, pele, pulmões e rins.

A extraordinária farinha de banana verde

A banana verde ou madura é um superalimento barato e fácil de encontrar. É rica em vitaminas, minerais e em vários outros nutrientes, como as fibras, que auxiliam o bom funcionamento do organismo.

A banana verde possui amido resistente, entre 55% e 93% do total de amidos da fruta, sob a forma de carboidrato, que melhora a sensação de saciedade.

A vantagem do amido resistente é que ele só é digerido pelo intestino grosso. Assim, é importantíssimo aliado contra a prisão de ventre. Isso ocorre porque, ao ser transformado pelas bactérias da flora intestinal, produz muitas substâncias benéficas para o organismo. Por isso, pode controlar o diabetes, pois reduz as taxas de glicemia, diminuir o apetite, dificultar a absorção de gorduras, de modo a reduzir o colesterol e prevenir doenças cardíacas.

O cuidado que se deve ter é que a banana, à proporção que amadurece converte o amido resistente em açúcar simples. Então, para aproveitar bem todos os benefícios da fruta, é preciso ingerir também a banana ainda verde.

Mas quem consegue comer a banana verde? Praticamente ninguém, porque o sabor não é agradável e ainda traz a sensação de apertar a boca por dentro. Um horror!

Existem duas formas de consumir a banana verde: 1) como farinha industrializada; 2) biomassa caseira, que preserva todos os nutrientes.

A farinha da banana verde tem muitos usos e pode ser utilizada no preparo de vários tipos de pães, tortas, bolos, barras de cereal, adicionada a sucos, iogurtes e frutas. Por não conter glúten, substitui com vantagem parte da farinha de trigo usada nas receitas de alimentos.

Os benefícios da farinha da banana verde já foram praticamente citados acima, mas vale repetir objetivamente:

  1. Controlar e prevenir o diabetes: por ter baixo índice glicêmico, faz com que a glicose liberada no sangue durante a digestão aconteça lenta e gradualmente. Assim, mantém os níveis de glicose no sangue controlados.
  2. Ajudar a melhorar o trânsito intestinal: ao ser digerido apenas no intestino delgado, o amido resistente fica exposto à fermentação das bactérias do colón. Dessa maneira, desenvolve a flora intestinal e melhora o seu funcionamento, ajuda na digestão e previne problemas como a prisão de ventre.
  3. Ajudar a evitar câncer de intestino: ao contribuir para o bom funcionamento intestinal tem o poder de evitar o câncer intestinal.
  4. Proporcionar saciedade: ao atrasar o tempo de absorção dos nutrientes pelas células intestinais, o amido provoca a saciedade. Assim, evita que as pessoas tenham fome mais rapidamente.
  5. Fortalecer a imunidade: O amido resistente é alimento para as bactérias do intestino, que se reproduzem com mais facilidade e fortalecem o sistema imunológico.
  6. Reduzir os níveis de colesterol: o colesterol é produzido em nosso corpo no fígado, para ajudar na digestão de gorduras. Depois da digestão, volta para o fígado, local em que deve ser reabsorvido e produzir nova bile. Se a flora intestinal não funcionar bem, o colesterol não é absorvido e cai na corrente sanguínea, com o seu aumento no sangue. A farinha de banana verde faz com que o fígado produza menos colesterol e ainda ajuda a eliminá-lo, evitando o seu acúmulo no sangue. O resultado positivo é diminuir o risco de doenças cardiovasculares.
  7. Aliviar os sintomas da TPM: por ser rica em vitamina B6 e triptofano, a farinha de banana verde produz as substâncias necessárias para a síntese da serotonina, que dá sensação de bem-estar.
  8. Ajudar na prevenção da osteoporose: ao contribuir na absorção do cálcio, previne a osteoporose, pois é rica em fósforo, mineral importante para a formação e fortalecimento dos ossos.
Anúncios